Depressão e ansiedade podem atingir quem tem artrite reumatoide

0
2013

A coordenadora da Comissão de Artrite Reumatoide da SBR, a reumatologista Licia Maria Henrique da Mota, explica porque os dois males fazem parte do cotidiano de muitos pacientes com AR.

Reportagem do jornal Folha de Londrina enfoca a artrite reumatoide e salienta que um em cada três pacientes que sofrem com a doença são atingidos por depressão e ansiedade. Segundo o texto, um artigo recente, publicado no Arthritis Care & Research, diz que 1/3 dos adultos americanos com artrite, com mais de 45 anos de idade, relata ter ansiedade ou depressão. O trabalho destaca que a ansiedade é quase duas vezes mais comum que a depressão entre os pacientes artríticos.

Antes de falar especificamente sobre o tema, é interessante esclarecer o que é artrite reumatoide e as diferenças em relação à osteoartrite. Quem explica é a coordenadora da Comissão de Artrite Reumatoide da SBR, a reumatologista Licia Maria Henrique da Mota. Segundo ela, artrite, ou  artrite reumatoide (AR) é uma doença crônica, inflamatória, cuja principal característica é a inflamação das articulações (juntas), embora outros órgãos também possam estar comprometidos. “A AR é uma doença auto-imune, ou seja, é uma condição em que o sistema imunológico, que normalmente defende o nosso corpo de infecções (vírus e bactérias), passa a atacar próprio organismo (no caso, o tecido que envolve as articulações, conhecido como sinóvia)”, explica Licia, ressaltando que a inflamação persistente das articulações, se não tratada de forma adequada, pode levar à destruição das juntas, o que ocasiona deformidades e limitações para o trabalho e para as atividades da vida diária. “O tratamento adequado e precoce pode prevenir a ocorrência de deformidades e melhorar a qualidade de vida de quem tem a doença”, diz Licia..

Já a osteoartrite, esclarece a reumatologista, também chamada de artrose ou osteoartrose, é uma doença que se caracteriza principalmente pela degeneração (desgaste) das cartilagens que protegem os ossos, embora também exista um componente de inflamação. “É uma doença osteoarticular muito comum, e sua frequência aumenta com o envelhecimento da população.”

Referindo-se especificamente à presença de ansiedade e depressão em quem sofre de AR, Licia explica que isso acontece porque se trata de uma doença que leva a vários graus de incapacidade e tem um profundo impacto sobre os aspectos sociais, econômicos e psicológicos da vida do paciente. “Pacientes com AR apresentam uma prevalência de transtornos depressivos e ansiosos acima da média habitualmente encontrada na população em geral, variando de 13% a 47%, segundo diversos estudos”, diz Licia, explicando que essa grande diferença provavelmente se deve à variedade das populações estudadas e também ao uso de questionários diferentes para determinação da presença de sintomas depressivos.

“Na Universidade de Brasília, nós temos um ambulatório específico de acompanhamento de pacientes com AR em sua fase inicial (menos de um ano de doenças), a Coorte Brasília de AR inicial”, diz Licia, e o estudo do comportamento desses pacientes gera uma série de informações inéditas sobre a doença no Brasil e assim se conseguiu observar, por exemplo, que 13,8% dos pacientes do ambulatório apresentam diagnóstico de depressão e cerca de 15% de transtorno de ansiedade. “O motivo exato dessa associação não é conhecido, mas é possível que o medo, a angústia do diagnóstico e a limitação ocasionadas pela doença possam influenciar profundamente a presença de sintomas de tristeza e desmotivação”, diz Licia.

 

Tratamento das questões emocionais 

Diante disso, a reumatologista salienta que a assistência adequada a pacientes com AR inclui, necessariamente, a avaliação de aspectos outros que não simplesmente a da dor e da limitação física: “O reumatologista, em sua avaliação e proposta de tratamento do paciente, deve sempre considerar, além dos problemas físicos, as questões emocionais, o impacto da dor crônica, da baixa autoestima, da fadiga  e da disfunção sexual que a doença pode causar”. Para tanto, o tratamento dessas condições deve incluir a boa relação médico-paciente, a orientação adequada quanto ao tratamento da doença, o estímulo à prática de atividade física, e, quando necessário, o uso de medicações antidepressivas e ansiolíticas (para reduzir a ansiedade). O apoio de um psicólogo ou psiquiatra algumas vezes também se faz necessário, salienta Licia.

Segundo ela, é importante ainda ressaltar que, tendo em vista que a presença de depressão e/ou ansiedade é determinante de redução de qualidade de vida, questões que abordam estes aspectos merecem estar entre os parâmetros que avaliam o curso da artrite.  “Há necessidade de mais estudos que avaliem a extensão da depressão e ansiedade, para que possam ser oferecidas alternativas terapêuticas que melhorem não somente a saúde física, mas também a qualidade de vida do paciente”, salienta.

Quanto ao estudo publicado no Arthritis Care & Research, Licia diz que, embora seja muito importante pela informação que traz, não é o primeiro a avaliar depressão e ansiedade em pacientes com AR: “Em nossa Coorte Brasília de AR inicial, encontramos sintomas depressivos e/ou quadro compatível com ansiedade em até 15% dos pacientes, o que gera considerável redução na qualidade de vida, além de repercussão no manejo da AR”, ressalta.

Licia cita ainda um estudo de Scott com outros autores, que sugeriu que, pelo menos em parte, a dor dos pacientes com AR inicial esteja relacionada à depressão. Outro estudo, de autoria de Sharpe e mais pesquisadores, investigou essa relação em 22 pacientes com AR inicial e encontrou que a dor estava associada com a depressão, além do nível de incapacidade na avaliação inicial, crenças sobre a consequência da artrite, além de estratégias de manejo da dor. “Os pacientes do estudo de Sharpe evoluíram com piora significativa da depressão ao longo do tempo. Na avaliação inicial, apenas 15% preencheu critérios de ‘possível depressão’ e, após 15 meses de acompanhamento, 40% dos casos foram classificados como deprimidos, caindo para 35% após 21 meses”.

No estudo da Universidade de Brasília, diz Licia, foi feita a pesquisa sistemática sobre a presença de sintomas depressivos apenas na avaliação inicial, “de forma que não pudemos avaliar a evolução dos sintomas depressivos, ou suas possíveis correlações, ao longo do tempo”, ressalta.

Deixe uma resposta